Como Ouvimos Músicas ao Longo da História

A música é uma das formas de arte mais inspiradoras. Mas, apesar dessa arte ser milenar, não tem muito tempo que o ser humano conseguiu desenvolver tecnologias para armazená-las e reproduzi-las. Em um passado não tão distante a última tendência era ter um walkman. Ele é da sua época? Teve um momento nostálgico ou você não faz ideia do que estamos falando? Então, saiba mais sobre como ouvimos músicas ao longo da história! Confira!

A evolução do mundo da música caminhou lado a lado com a evolução das mídias, formatos de armazenamento e distribuição. A tecnologia que era inovadora na época, hoje já é ultrapassada frente ao crescimento da tecnologia na indústria musical, sendo item de colecionadores e saudosistas.

 

Mas, é uma parte importante da história, que ajudou a chegar a até a tecnologia que conhecemos hoje. Portanto, conheça as mídias que serviram para guardar e executar canções. Veja abaixo os “vintage” da música!

As Invenções que Mudaram a Forma de Interagir com a Música

  • Cilindro Fonográfico: Inventado por Thomas Edison em 1877, foi à primeira mídia a ter sucesso para gravar e reproduzir o som, porém tinha pouca durabilidade. As primeiras gravações foram feitas em folhas de estanho e só podiam ser reproduzidas 3 ou 4 vezes, no máximo.

 cilindro fonografico

Tempos depois, as folhas de estanho foram substituídas por metal ou cera para confeccionar os cilindros, aumentando sua durabilidade. E a invenção criada com a intenção de registrar a fala, passou a ser usada para guardar músicas, trazendo novas perspectivas para a indústria fonográfica.

  • Gramofone: O Disco Plano, mais conhecido como Gramofone, foi criado dez anos depois do cilindro fonográfico, em 1887 pelo alemão Emile Berliner. Aperfeiçoando a tecnologia anterior, o gramofone passou a usar discos planos constituídos de cera, vinil, cobre e goma laca em vez dos cilindros de Thomas Edison.

Devido a sua maior resistência e capacidade de gravação, os discos planos e o gramofone foram logo usados no mundo da música para gravar e reproduzir as canções.

  • Disco de Vinil: Como podemos perceber, antigamente havia poucas formas de ouvir música. As pessoas se juntavam em algum cômodo da casa para ouvir, por exemplo, os novos lançamentos de Roberto Carlos.

 disco de vinil

E isso só era possível com o auxílio de vitrolas e dos famosos LPs ou discos de vinil, que surgiram em 1948. Produzidos com um material plástico leve e flexível, os discos de vinil têm ranhuras espiraladas que conduzem a agulha do toca-discos, conhecidos também como vitrolas ou radiolas. Essas ranhuras causam vibrações na agulha, as quais são transformadas em sinais elétricos que, quando amplificados, geram sons audíveis.

  • Cartucho 8-Track: Pioneira na gravação de conteúdos sonoros em fitas magnéticas, o cartucho 8-Track foi desenvolvido para o uso comercial e lançado em 1958, tornando-se muito popular nos EUA nas décadas de 60 e 70.

Essa tecnologia foi à percussora para o desenvolvimento de outros mecanismos que servem para o armazenamento de dados, como os discos rígidos e de equipamentos sonoros portáteis.

  • Fita K7: As fitas cassete ou K7 foram desenvolvidas com base na tecnologia dos cartuchos 8-track, em 1963. Inicialmente, devido a baixa qualidade das gravações eram usadas para gravação de conversas, entrevistas e palestras. Depois, com as falhas corrigidas, as fitas cassete ganharam uma enorme popularidade em todo o planeta, pois era a opção mais viável para quem pretendia ouvir a música de seu artista favorito.

 fita cassete

Com as fitas cassete veio também o walkman. Esse aparelho permitia ouvir as canções preferidas fora de casa e na altura que desejava com os fones de ouvido.  Era uma espécie de toca-fitas portátil que exigia um conjunto de pilhas de boa duração. Era normal andar com uma sacola de pilhas ou colocar as pilhas na geladeira para recarregar (quem nunca fez acreditando que daria certo?), só pra não ficar sem ouvir suas músicas. E para ouvir uma determinada música novamente era preciso rebobinar a fita, usando por vezes uma caneta ou qualquer outro item que servisse à finalidade.

 walkman

  • CD: Essa mídia já é mais conhecida e ainda pode ser encontrada facilmente no mercado. Desbancou o reinado das fitas K7! Criada em 1979 para armazenar e reproduzir arquivos de áudio e se tornou febre no mundo da música ao longo dos anos 90 e início dos anos 2000.

Causou uma verdadeira revolução na indústria musical por ser mais leve que um fita, ter mais espaço e ainda proporcionar maior facilidade na hora de repetir uma determinada canção.

Foi inspiração para o desenvolvimento de outros meios de guardar conteúdos digitais, como os DVDs e os discos de Blu-ray.

  • MP3: Revolucionou a forma de ouvir música em 1998, liquidando praticamente todas as tecnologias antecessoras. De fácil transporte, longa vida útil quando comparado a outras mídias existentes até então, é ainda hoje um dos formatos mais usado para música em formato digital.

mp3

A partir dessa tecnologia foram desenvolvidos o MP4, IPod e celulares com armazenamento de arquivos.

É inegável o fato que a música passa por profundas mudanças a partir de inovações tecnológicas. Os instrumentos se tornam cada vez mais precisos e a arte cada vez mais difundida.

O MP3 hoje é tão obsoleto quanto os discos de vinil e as fitas K7 ficaram no passado e o YouTube já é parte de nosso cotidiano, com um acervo astronômico de músicas que podem ser acessadas por qualquer pessoa com acesso à internet .

Como Ouvimos Músicas Ao Longo da História

 

como ouvimos música antigamente

Veja também “FIGURAS RÍTMICAS E DURAÇÃO DAS NOTAS”.

Deixe seu comentário, dicas e sugestões. Pesquise em nosso Blog e compartilhe com os amigos. Curta nossa página do Facebook!

 

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *